segunda-feira, 27 de abril de 2009

Homem dos mil canários

Há 14 anos, produtor rural de Laranja da Terra cria os pássaros que chamam a atenção devido às cores e ao canto

JÚLIO HUBER
Amarelos, brancos, verdes, pardos e vermelhos. Essas são algumas das cores do canário belga, que não sobrevive no meio ambiente brasileiro e é criado em cativeiro. No município de Laranja da Terra, região Serrana do Estado, existem pelo menos 500 criadouros.
Um que se destaca é o produtor rural Enival Grunewald, o Filinho, 45 anos, morador da localidade de Manteiga. No início deste mês, ele contava com mais de mil canários, entre machos e fêmeas.
Durante o período de reprodução, que começa em junho e vai até dezembro, Filinho coloca mais de 100 casais de diversas cores para produzirem mais de dois mil filhotes anualmente.
Filinho, que se diz apaixonado pelos pequenos pássaros, cria canários há 14 anos.
O canário belga mede entre 14 e 15 centímetros da ponta do bico à extremidade da cauda. A cabeça é pequena e estreita, as pernas longas, o peito é arredondado e cheio. A plumagem é compacta e lisa.
“O segredo de produzir canários bonitos é a dedicação, o capricho e, principalmente, o amor aos pássaros”, ressalta Filinho, lembrando que o filhote custa R$ 5,00, enquanto o adulto sai a R$ 25,00.

O chefe de gabinete da Prefeitura de Laranja da Terra, Carlos Alberto Jarske, disse que centenas de famílias de agricultores do município criam canários como uma alternativa de aumentar a renda na propriedade.
Ele afirmou que uma pessoa já chegou a comprar um carro zero quilômetro com o dinheiro da venda dos pássaros. “Muitas famílias acordam cedo, cuidam dos pássaros e depois vão para a lavoura. A renda com os canários é uma complementação”, explicou.
No caso do Filinho, a criação de canários belgas se tornou a principal atividade da propriedade. “Quando é o período da criação, minha mulher ajuda a preparar a comida para os filhotes. Eu me dedico quase que exclusivamente aos pássaros, mas tenho lavouras de café e outras culturas.”